Passo importante para o futsal brasileiro

Após meses de “separação”, a paz foi selada na prateleira de cima do futsal brasileiro. Em coletiva de imprensa realizada na terça-feira (21) em São Bernardo do Campo (SP), a diretoria da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) e representantes dos atletas “selaram a paz” e mostraram estar juntos em prol do futsal brasileiro. Na oportunidade, foi anunciado também o retorno do técnico Serginho Schiochet ao comando da Seleção Brasileira.

“Estamos reunidos para começar uma nova página do futsal brasileiro. Nós vínhamos em páginas não muito boas, mas agora com certeza vamos para uma página de um futsal forte, com os jogadores que fazem a história do futsal brasileiro. Chegamos à Confederação com ela destroçada em todos os sentidos, devagar estamos tentando erguê-la e já enxergamos a luz no final do túnel. Vamos transformá-la com transparência para que todos saibam o que estamos fazendo e como vamos fazer. Com o apoio dos atletas e dos patrocinadores que estão chegando, vamos colocar o futsal no lugar que ele merece”, disse Marcos Madeira, Presidente da CBFS e ex-Presidente da Federação Mineira de Futsal.

Há três meses à frente da CBFS, a nova gestão conquistou avanços importantes, como a regularização das certidões negativas da entidade, que impediam qualquer convênio ou contrato de patrocínio com empresas estatais. Desde 2013 a CBFS está sem patrocinador principal por causa da reprovação de seus balanços, fruto das gestões anteriores. Ex-atleta e dirigente da FMFS, Bernardo Caixeta, atual Diretor de Marketing da CBFS, informou que conversas estão bem encaminhadas para firmar novos patrocínios.

Atletas satisfeitos com a nova fase
Um dos líderes do movimento dos jogadores, Falcão destacou a importância da união, se mostrou aberto à nova gestão e ressaltou a representatividade que os atletas terão junto à nova diretoria da CBFS.

“Não fomos contra à candidatura do Madeira, mas contra a aliança que ele fez com a Louise, que já era do outra gestão e era uma pessoa que não era benéfica ao esporte. No momento que ele percebeu que nosso problema era esse, naturalmente afastou ela e nos procurou. O histórico dele é zero como Confederação, nem bom nem ruim, então merece essa chance. Conquistamos a liberdade de agir diretamente em qualquer decisão da confederação, conseguimos colocar alguém lá dentro para que as coisas fossem claras. Meu sonho era que as coisas mudassem a favor do esporte. Nada vai ser benéfico para mim individualmente, ou para qualquer esporte. Conseguimos mostrar ao presidente que não temos esse orgulhe de “tem de ser do nosso jeito”.  Tem que ser benéfico para a seleção. Agora temos a liberdade de dar opiniões, e eles deixarem entrar alguém do nosso lado. Só tem a ganhar o futsal”, finalizou o camisa 12 da Seleção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *