Técnico do Sub13 do Minas, Alisson Bahia analisa a conquista do Estadual 2015

Em uma das mais equilibradas e esperadas disputas de 2015, o Minas Tênis Clube levou a melhor sobre fortes concorrentes e conquistou o título estadual na categoria Sub13. Na fase final, os minastenistas tiveram 100% de aproveitamento e sacramentaram o título com uma vitória por 3 a 2 sobre o rival Olympico/Mart Minas.

“Sem dúvida esta conquista tem um significado mais que especial para mim e para o clube, não só pelo longo jejum nesta categoria (desde 2001 não ganhávamos o estadual sub13 – a última foi com a geração de Caio e Dieguinho), mas, principalmente pela composição da equipe, formada em sua grande maioria por associados do clube com passagem pelas nossas escolinhas e pré equipes – as exceções são o pivô Felipe Felício e o goleiro Guilherme Cardoso”, destaca Alisson Bahia, técnico minastenista.

O comandante salientou ainda uma diferença em relação a outros adversários – a manutenção do elenco nos campeonatos Metropolitano e Estadual: “Deve-se levar em conta, ainda, que grande parte das equipes se reforçaram para o Estadual, o que é inviável para nós por conta do limite de vagas para não-sócios adotado pelo clube. Mesmo assim, jogamos de igual pra igual com todos os adversários, em todas as fases, em especial na fase final”.

Evolução entre o resultado do Metropolitano e a conquista do Estadual
Alisson destacou também a evolução da equipe e do resultado alcançado nas disputas do Metropolitano e do Estadual. Na competição local, o Minas teve a melhor campanha na fase de classificação, mas acabou caindo de rendimento na fase final e se viu longe do título. No Estadual, porém, a equipe jogou seu melhor futsal e se mostrou superior aos adversários.

“O resultado do Metropolitano foi aquém do esperado, em função da expectativa criada pela melhor campanha na fase de turnos. A questão é que tivemos uma baixa significativa dois dias antes do início do quadrangular final, quando um de nossos principais jogadores (André Piterman) foi diagnosticado com caxumba e ficou impedido de jogar todos os jogos. Não acho correto justificar o resultado negativo simplesmente pela ausência deste atleta, mas, nesta faixa etária, os efeitos incidem de três formas: a equipe perde a contribuição técnica que este atleta poderia dar; perde no emocional, já que os outros atletas sentem a ausência do colega importante; e, por último, favorece o emocional do adversário, uma vez que os meninos se conhecem e sabem que aquele atleta faz diferença quando está em quadra”, contou o treinador.

Nas categorias de formação, mais que a busca pelo resultado final, técnicos e coordenadorae visam a evolução dos jovens atletas. Nesse quesito, o comandante minastenista se mostrou satisfeito com a evolução e assimilação de conceitos por parte de seus atletas.

“Como treinador, fiquei muito satisfeito com a forma da equipe jogar durante praticamente toda a temporada, salvo raras exceções. Vejo que os atletas assimilaram muito bem a parte tática (que foi decisiva na fase final) e voltaram a jogar com confiança, resultando nesta conquista de grande valor (até histórico) para o Minas.”

Classificação final do Estadual Sub13
1º Minas Tênis Clube
2º Olympico Mart Minas
3º Tropical Tênis Clube
4º Uberlândia Futsal

Resultados da fase final do Estadual Sub13
Olympico/Mart Minas 4 x 4 Tropical TC
Minas TC 5 x 1 Uberlândia Futsal
Olympico/Mart Minas 3 x 1 Uberlândia Futsal
Minas TC 4 x 1 Tropical TC
Tropical TC 5 x 2 Uberlândia Futsal
Olympico/Mart Minas 2 x 3 Minas TC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *